Desenvolvendo negócios inteligentes com Lean Startup

Desenvolvendo negócios inteligentes com Lean Startup

Iniciar um novo negócio é arriscado. Segundo algumas pesquisas demonstram, até 75% dos negócios vão a falência antes de completar o terceiro ano de vida. Tornando-se quase uma aposta entrar no mercado e ser bem sucedido.

Inspirado nas técnicas de produção da Toyota, a metodologia de lean para Startups é uma proposta do autor Eric Ries, no livro que foi sucesso de vendas, A Startup Enxuta. O objetivo por trás dessa metodologia é fornecer um modelo que permita criar produtos de uma forma menos arriscada.

O erro do modelo tradicional de negócio

Até não muito tempo, a forma mais comum de começar um novo negócio era seguindo alguns passos:

  1. Desenvolver plano de negócio
  2. Convencer investidores
  3. Organizar uma equipe
  4. Desenvolver produto
  5. Iniciar vendas

Em mais de 30 anos vendo este modelo se repetir, três graves problemas foram identificados:

O primeiro é que um plano de negócio raramente sobrevive ao primeiro contato com o cliente. Em segundo, como não existem dados reais sobre o negócio, as projeções de planejamento tornam-se inúteis. Na maioria dos casos são ficções inventadas sem nenhuma base verdadeira.

E por último, observou-se que empresas de sucesso dificilmente seguem um plano do início ao fim, o que elas fazem é ir de uma falha a outra, testando o mercado e ajustando seus produtos conforme novas informações surgem.

A diferença que fica mais nítida entre empresas tradicionais e as que utilizam o modelo enxuto, é que as empresas tradicionais executam um plano de negócio, e as Startups estão em busca de um modelo de negócio.

É com a visão de que empresas investem grande no desenvolvimento de produtos com base em números fictícios, que não foram testados, é que o modelo de Startup Enxuta vem fazendo sucesso.

Lean Startup: Um framework

É muito comum encontrar alguém que teve uma ideia e acha que, porque conversou com algumas pessoas e todas acharam que seria viável, ela é uma proposta de produto lucrativa.

No mundo das ideias, todo negócio faz sentido e todo produto é lucrativo. “A maior parte das nossas ideias é, na verdade, terrível”, escreve Eric Ries em seu livro.

A solução proposta por de Eric Riesem The Lean Startup para mitigar os riscos e maximizar as chances de um negócio ser realmente lucrativo, é o que ele chama de Aprendizado Validado.

O aprendizado validado busca realizar mudanças no desenvolvimento do produto com base em experiências que sabemos que são verdadeiras e que já foram testadas no mercado.

Ao invés de apostar em relatórios, estatísticas públicas e tendências de mercado, sem ter uma real certeza de que o público vai de fato aderir ao seu produto, a metodologia enxuta sugere a criação de pequenos experimentos, com o chamado Produto Mínimo Viável.

A ideia do produto mínimo é lançar rapidamente uma versão simplificada da sua ideia de produto, observando como o mercado reage ao que foi proposto.

Ao confrontar o mercado dois resultados práticos são esperados: seu produto pode ser aceito e sua ideia é validada pelo seu público. Ou o produto é rejeitado e você precisa reformular sua hipótese antes de submeter o produto novamente ao mercado.

É por isso que agilidade é um critério importante para um produto mínimo viável. Quanto mais rápido uma ideia chega ao mercado, mais rápido ela recebe informações, tanto positivas, quanto negativas para se ajustar e tentar novamente.

Todo objetivo da metodologia é buscar informações reais do mercado para melhorar o produto ou modificar a ideia central antes de tentar novamente.

Para sustentar essa ideia, o livro The Lean Startup sugere 5 princípios importantes para o desenvolvimento de um produto.

  1. Empreendedores estão em todo lugar: Todo mundo pode empreender em todo lugar, independente da posição que ocupa. Para Eric Ries, uma Startup é qualquer pessoa que desenvolve um produto ou serviço em condições de extrema incerteza.

  2. Empreendedorismo é gestão: uma Startup é uma instituição e não apenas um produto. Para isso é necessário uma boa gestão para avaliar as informações que chegam e tomar decisões rapidamente.

  3. Aprendizado validado: Uma Startup não existe apenas para criar um produto e gerar receita com sua venda. Startups têm como objetivo aprender a criar um negócio sustentável, validando cientificamente suas hipóteses de acordo com pequenos experimentos que testem cada ponto de sua visão.

  4. Construir- Medir-Aprender: O aprendizado validado é alcançado utilizando em loop o modelo construir-medir-aprender: transformando ideias em produtos, medindo e analisando o retorno dos clientes e aprender se devem seguir como estar ou modificar a ideia para testar novamente, o que o livro chama de Pivotar.

  5. Contabilidade de Inovação: todo esse processo exige um novo modelo de contabilidade exclusivo para startups, um modelo que cuide da parte tediosa do negócio. Para melhorar os resultados e manter os resultados visíveis, é preciso focar em pontos que nos mostrem como medir o progresso, como definir metas e priorizar o esforço.

Para quem está acostumado com os antigos planos de negócio, a ideia de criar um produto rapidamente e esperar seu resultado para guiar novos movimentos pode parecer contraintuitiva e até mesmo muito arriscada.

O modelo de produto mínimo viável e de aprendizado validado vem sendo reproduzido e comprovado, demonstrando que contribui para o aumento das chances de sucesso e permite que investimentos sejam feitos quando necessário, otimizando o retorno sobre investimento e tratando de forma científica o desenvolvimento do um novo produto.

Abaixo indico um vídeo muito interessante do autor Malcom Gladwell, contando como um grande produtor de molhos de macarrão descobriu que sua forma de desenvolver novos produtos estava errada e trazia resultados abaixo do ideal.