4 estratégias para fidelizar clientes com Marketing de Conteúdo

4 estratégias para fidelizar clientes com Marketing de Conteúdo

Apesar da crise….” Quantas vezes você já leu um artigo, notícia ou post que começasse com esse clichê?

Mas desculpe, pois lá vem outro (é que o Marketing de Conteúdo* é muito bom para não ser usado em tempos de crescimento econômico abaixo de zero*).

Apesar da crise, empresas de todos os portes e dos mais diversos segmentos têm encontrado na produção de um conteúdo diferenciado a melhor forma de reduzir gastos, fidelizar clientes e ampliar as vendas ainda que você jure ser quase impossível conjugar os verbos “reduzir” e “ampliar” na mesma sentença.

Segundo a mais citada entre as referências mais citadas do marketing, Philip Kotler, a conquista de um novo cliente custa até 7 vezes mais que manter um cliente atual. E, neste post, você vai ficar por dentro de algumas das melhores estratégias de fidelização de clientes com Marketing de Conteúdo. Veja!

Criação de autoridade

Aqui na Rock Content, um clímax de suspense se instala em toda reunião de prospecção de clientes a partir do momento em que explicamos que iremos produzir todo o conteúdo do blog da empresa sem ao menos tocar no nome da marca em cada post.

(Relembre a famosa trilha de Psicose!)

É que boa parte do mercado ainda está presa na mentalidade da publicidade invasiva,  e de certa forma até ultrapassada, que menciona a marca o tempo inteiro em cada peça e trata o público-alvo como receptáculos que, pelo simples fato de gravarem slogans e logos na memória, irão se sentir estimulados para efetivar qualquer tipo de compra. Lembra do irritante “Compre Baton“?

Para esses clientes digamos, um tanto quanto incrédulos, introduzimos o conceito de autoridade trazido pela dinâmica do Marketing de Conteúdo. Mostramos que, diante de consumidores cada vez mais informados e indispostos a digerirem a propaganda pela propaganda, oferecer um conteúdo útil vale mais para a sua persona do quê um comercial bem dirigido.

A partir do momento em que a marca oferece conteúdo informativo, que realmente faz diferença na vida das personas, ou clientes ideais, seu site ou blog recebe muitos links que apontam para seu domínio, naturalmente ganhando a atenção dos consumidores e ampliando sua autoridade.

Ou seja, transforma-se numa referência de credibilidade dentro da sua área de atuação, o que por si só gera confiança e, naturalmente, fidelização.   

E-mail Marketing e a fidelização de clientes com Marketing de Conteúdo

Com pouco investimento e muita criatividade, qualquer estrategista pode escolher um dos inúmeros programas disponíveis na web e transformar o e-mail marketing numa poderosíssima ferramenta de fidelizar clientes.

É claro, desde que conte com um conteúdo qualificado, segmentação, afiado senso de timing, e, claro, disposição para analisar incansavelmente métricas como taxa de abertura, taxa de cliques e bounce (e-mails não entregues em função de problemas técnicos).

Um dos recursos dos programas de automação do e-mail marketing é a estruturação das campanhas em workflows, nos quais você pode alcançar e acompanhar um largo número de prospects de acordo com a etapa da jornada do comprador em que se encontram. Por exemplo, de forma a enviar o conteúdo certo, na hora certa, para a persona certa e, finalmente, para a caixa de entrada apropriada.     

Em termos práticos, significa oferecer um formulário para inscrição em newsletter para o visitante que acaba de entrar no seu site/blog, ou enviar um e-mail com cupom promocional para aquele cliente que já realizou uma compra anteriormente, retendo-o e, quem sabe, gerando upsell.  

Fluxo de nutrição

Conforme vimos, o e-mail marketing é uma das ferramentas mais indicadas para nutrir seus potenciais clientes com um conteúdo que os eduque para compras cada vez mais conscientes. No entanto, o conceito de Marketing de Conteúdo é tão vasto que extrapola esse circuito restrito à caixa de entrada de e-mail para abranger todo o funil de vendas do negócio, do topo ao fundo.  

Um erro muito comum que até os melhores estrategistas cometem é acreditar que a nutrição se limita a fidelizar leads que já realizaram uma compra ou estão quase prontos para realizar. Nada disso! A nutrição pode (e deve) ser feita em qualquer etapa do funil, desde a fase de atração, na qual o visitante ainda não sabe sequer nomear o tipo de problema que está experimentando.

Marketing de Conteúdo por dentro do funil de vendas

Na etapa de atração, em questão, o Marketing de Conteúdo vai funcionar gerando as informações úteis, no formato mais atraente — blog posts, materiais ricos como e-books, infográficos e white-papers — para fazer com que aquele visitante, até então indeciso, seja convencido a avançar mais uma etapa e se converta em lead.

Mas não para por aí: no meio do funil, o Marketing de Conteúdo passa a tentar convencer a lead de que a solução de determinada marca ou empresa é a melhor possível, mencionando, em pequenas doses, a sua expertise em blog posts e ofertas de materiais ricos.  

Finalmente, quando a lead já “levantou a mão” e se encaminhou para o processo de decisão, o Marketing de Conteúdo se torna ainda mais irresistível. Podendo, agora, se apresentar na forma de demos de produtos e vídeos que venham a chancelar a escolha do lead pela solução oferecida pela empresa/marca. E como diria um antigo vilão dos filmes de Tarantino: That’s a bingo!     

Se os nossos argumentos foram suficientes para que você se empolgasse com a possibilidade de captar, reter clientes e aumentar a presença online por meio de uma estratégia de custo relativamente mais baixo do que o do marketing tradicional, deixamos apenas um alerta:

Apesar da crise, mantenha a calma

É que os resultados do Marketing de Conteúdo não surgem da noite para o dia, e convencer os gestores disso tem sido um dos principais obstáculos para a aceitação dessa estratégia como uma grande geradora de ativos para as empresas.

Assim como qualquer metodologia de captação de clientes abrangida pelo Marketing Digital, o conteúdo exige prazos que englobem planejamento (alô, KPI!), execução e análise de performance, num closed-loop que jamais se encerra.    

Mas gestão de conteúdo é assunto para continuarmos a discutir em outro post. Espero que o de hoje tenha tido sucesso ao mostrar como o Marketing de Conteúdo representa o melhor custo-benefício para fidelizar clientes a cada dia mais exigentes com e apesar da crise.      

Esse post foi produzido pela equipe da Rock Content.