Como gerenciar uma equipe num mercado cada vez mais dinâmico

Como gerenciar uma equipe num mercado cada vez mais dinâmico

Nunca tivemos tantas ferramentas para realizar vendas como hoje no mundo comercial, mas também em nenhum outra época tivemos clientes tão exigentes como hoje. Absolutamente todos os mercados vêm se transformando e evoluindo de uma maneira completamente assustadora.

O desafio de estruturar uma equipe de vendas neste contexto só aumenta e quando pensamos em construir vendedores atentos a esse novo ambiente de competição, a coisa é ainda mais alarmante. Entrar para este ringue sem preparar-se é loucura.

Conseguir novos clientes todos os dias não só tornou-se uma tarefa bastante sofisticada, como também cada vez mais competitiva. A complexidade dá-se justamente pela mudança de como lidamos com as estruturas de vendas mais completas.

Estamos na era em que até mesmo as empresas pequenas precisam rodear-se de tecnologias, técnicas e capacitações para alcançar um ritmo muito acelerado de performance e aprender a lidar com este novo tipo de cliente e  dinamicidade de mercado frequentemente mutável.

O desafio da evolução tecnológica

Embora um bom marketing tenha a ênfase em dizer que a nossa gestão é cercada de tecnologia e que estamos diante do que há de mais novo no mercado, ainda são poucas empresas que, de fato, preocupam-se em estar à frente em investir em tecnologias.

A verdade é que a realidade de muitas das empresas ainda é de crescente expansão comercial. Isso quer dizer que ainda existe um desafio da parte dos gestores em entender que o avanço só é possível hoje por meio da inserção de soluções tecnológicas viáveis. E quando falamos desse assunto, estamos falando também de mentalidade de investimento para resultados.

Bem, aquele velho pé atrás com os custos de novas possibilidades tecnológicas talvez seja um dos principais motivos para o congelamento das performances de operações comerciais.

Não é a toa que gestores que saíram na frente no mercado são os visionários, pessoas que entenderam que este tipo de investimento fortalece a agilidade, a prática e o melhoramento no que diz respeito a curva de aprendizado do time comercial.

Sair do lugar comum não precisar ser só um jargão, mas tem que ser agir de maneira correspondente e abrir a cabeça para investir no que te dará mais resultado.

A mudança do perfil do consumidor e altos níveis de competitividade

Se novos consumidores mudam, porque é que empresas continuam fazendo tudo igual por muitos anos? Bem, algumas respostas frequentemente podem surgir.

A primeira delas é que, de fato, elas não sabem quem são seus clientes com total exatidão. Elas ainda confiam demais em intuição e pouco em dados concretos e mais transparentes.

Não adianta tentar vender hoje como quem sempre se aventura por um universo desconhecido, sem se preocupar em entender um pouco mais a três pontas que influenciam um negócio: O mercado, o cliente e a realidade da sua operação.

Sem que haja maneira mais eficientes e concretas de escanear todo seu processo, e ter uma cultura de  usar a tecnologia a favor no processo comercial, fica cada vez mais obscuro entender a mudança que o perfil do consumidor vem enfrentando e também como tem sido o comportamento do mercado. O impacto é visto na estagnação e até na queda dos faturamentos.

O novo papel do gestor

A regra é clara: se há uma nova maneira de vender, de interagir com o mercado e de cuidar de pessoas, há também o surgimento de um novo tipo de gestão.

Este novo perfil de gestor precisam ter mais flexibilidade em determinados pontos e alimentar na sua equipe uma alta capacidade de adaptação às novas realidades.

Se queremos ter resultados concretos diante desses novo jeito de gerir pessoas e processos, precisamos antes de tudo enfrentar as suas próprias resistências pessoais e o bloqueios que a gente cria com a experiência a frente da gestão.

A função principal do novo gestor é entender que a realidade muda o tempo inteiro à sua volta e que ele precisa se desfazer de paradigmas que ele aprender a construir com o anos. Entender que há aliados que podem reduzir custos, melhorar desempenhos e até facilitar novas maneiras de interagir com clientes.