Fim do ano: Um papo sobre metas e tecnologia

Fim do ano: Um papo sobre metas e tecnologia

Aguentar o Papai Noel, Roberto Carlos e São Silvestre é fichinha. No universo de vendas, o que mais assusta no fim do ano é perceber que o calendário está na última folha.

Nessa hora, dois sentimentos tomam conta da gente:

  • O primeiro é o desespero de notar que mais um ano passou depressa e que boa parte das metas que estabelecemos ainda precisam ser alcançadas. O desespero do sprint final.

  • O segundo sentimento é aquele em que percebemos que, por outro lado, já é hora de sentar e realizar um balanço geral do que aconteceu até então para projetar-se a novas oportunidades e começos.

Se na vida pessoal, a gente tem que aprender a olhar para tudo que vivemos naquele ano e enxergar o que realmente valeu a pena e o que poderíamos ter nos esforçado mais para conseguir, diante de uma cenário de gestão, este exame também torna-se obrigatório.

Não é possível encerrar um ciclo e iniciar outro sem entender em que direção estamos pisando. Aprender a definir metas não é uma tarefa simples, mas é extremamente indispensável para conseguir resultados importantes e ter um crescimento.

Não importa se são tarefas que precisamos realizar amanhã ou se são aquelas que tem um deadline de meses ou anos, todas precisam estar em nosso radar. Antes de desesperar, lembre-se que definir metas pressupõe:

Descobrir como lidar com a motivação durante a jornada

Antes de tudo, você precisa entender qual a melhor maneira da sua equipe e você perceberem que estão sendo recompensados por algo? Sim, o sucesso de uma meta tem muito a ver com motivação.

É claro que nem todos os passos em direção de um bom resultado terão de ser guiados somente pelos incentivos. Atingir metas é aprender não só a recalcular rotas, mas a fazer isso com enfrentamento e encorajamento diante de uma espécie de estímulo inteligente e real.

Qual é o fator excitante que os coloca em direção do esforço? Descobrir o impulso que os empurram para o ânimo vai instiga-los ao fomento da realização dessa coisa. Não estamos falando de placebo motivacional, mas sim de um reforço real de energia.

Busque entender como funcionam as motivações, mas nunca trabalhe com a falsa ideia de enganar-se com filosofias vãs e políticas vazias, certifique-se que adotará ações práticas e racionais para chegar mais perto dos objetivos que foram estabelecidos.
No sua gestão comercial, você tem a obrigação de conhecer sua realidade de equipe e saber em que deve trabalhar melhor.

Bater meta é ter um método aplicável, ensinável e intuitivo

Para realizar uma análise mais completa, e ter a condição de examinar a eficiência dos objetivos antigos, enxergar e mudar caminhos quando necessário e definir maneiras práticas de dar novos passos, é importante ter em mãos dados e ferramentas realmente relevantes.

Definir uma meta apenas na intuição, no palpite ou na percepção pessoal não garante que ela será atingida, mas quando se tem uma maneira inteligente de fazer uma medida, isso não só ajuda a entender cenários, mas a projetar novas realidades concretas de ações dentro de um mercado.

É possível estipular um nível saudável das equipes. Obviamente, que não devemos deixar de lado análise conclusivas do nosso mercado, e nem depender apenas de dados para tomada de decisões, mas claramente, quando deixamos de lado a tecnologia, temos que assumir o risco ainda maior do erro.

Definir um processo comercial que seja eficiente tem a ver com um método. É possível criar uma linguagem comercial que seja só sua e que atenda especialmente o seu mercado de maneira personalizável e respeitável.

Além disso, entender a dinâmica da sua equipe lhe trará novos insights. Seu método tem que ser não só funcional, mas aplicável dentro de uma realidade que está inserido.

Este é um erro completo de gestores arrogantes, acreditam que ter uma ferramenta que seja mais cara, mais conhecida ou internacional é melhor para sua equipe.

Como estamos no mercado de tecnologia, entendemos que há uma certa inteligência comercial que precisa ser reconhecida. Não ignore isso. Tenha um método útil e aplicável à sua realidade.

E por último, não tente engajar equipe nas suas metas se não der condição para que elas alcancem esta realidade. Vemos muitos gestores que colocam ferramentas diante de um time todo e imploram para que eles tenham uma engajamento, no entanto, a ferramenta escolhida por ele não auxilia o dia-dia do vendedor de maneira precisa.

A gente não cansa de repetir aqui que somos uma ferramenta que é feita de vendedor para vendedor. Desde a usabilidade até o dashboard, tudo é pensado para ser intuitivo e fácil, sem fazer com que isso seja uma dificuldades que o vendedor pode enfrentar no seu dia-dia.

A ferramenta de CRM tem que trazer dados importantes de maneira fácil. Esta é uma das prioridades de desenvolvimento aqui.

No fim das contas, só há um jeito de garantir que no fim uma meta seja realmente alcançada e a luta contra essa maratonas não seja um pesadelo:

Ter metas que possa ser inteligentes, precisam ser monitoradas por ferramentas mensuráveis e que te tragam cenários de uma realidade do passado, leituras do presente e uma projeção para o futuro.

Você precisa ter um panorama que seja possível ter recursos inteligentes de gestão e emancipação comercial. Se é isso que precisa, esta é sua chance.