Último dia do mês é uma guerra, bixo.

Quando chega o dia e as metas ainda não estão fechadas, é hora de adotar medidas extremas.

Hoje é dia 31, e esse foi o meu dia.

Já fui dormir preocupado com as metas. Precisava pensar em formas de aumentar o fechamento e quais argumentos seriam mais contundentes. E eu sabia do pior, não tinham tantas Leads assim prontas para fechar.

Logo de manhã vi que um dos meus colegas bateu sua meta, agora estavam todas as miras viradas para mim. Não posso perder uma meta.

Meu gestor sabe que hoje não pode deixar ponto sem nó. Me chamou no canto e deixou claro que não iria deixar passar. Definiu estratégia e liberou condições especiais.

Minhas desculpas estavam acabando, eu tinha que tocar as vendas.

Peguei meu telefone e liguei para mais clientes que pude contar. Neste momento estou rouco de tanto falar.

Meu foco foram dois tipos de clientes, os que já tive reuniões e estavam aguardando para fechar. E clientes que observei no histórico de perdas que poderiam ser contornados com alguma argumentação.

No último dia do mês são necessárias medidas drásticas. Se precisar a gente paga com o próprio cartão para o cliente transferir o dinheiro na conta. É cada loucura que pensamos nessa hora.

Na hora de bater meta, camarada, a gente dá nosso jeito.

Procurei clientes que já estavam fechados, mas eu sabia que tinha outra empresa e poderiam comprar. Briguei por upgrade de contas, argumentei com diretor, responsável técnico e CEO.

A gente sabe que não dá pra viver todos os dias acelerando desse jeito. Mas dia 31, malandro, é café na caneca, água no copo e telefone no ouvido.

Cada novo fechamento é uma festa.

Cada não dito por um cliente é uma explosão de adrenalina para a próxima ligação.

Para quem vende, amigo, no último dia do mês todo mundo vira o Mbappé na final da copa do mundo. Não existe tempo pra discutir lance, é bola rolando e chute pro gol.

Mas hoje eu ganhei a guerra.

Fechei com o último cliente, reclinei a cadeira e deixei o corpo esfriar.

O problema é que esse jogo não acaba. Agora é hora de preparar os clientes e agendar as reuniões do próximo mês.

Até que no mês que vêm, estaremos aqui de novo.

Olhando para o relógio, gastando garganta e honrando nossas metas.

Porque último dia do mês é uma guerra, bixo.